Grupo da Poli/USP alerta sobre importância do estudo do solo na construção civil


conservacao_solo (8)

No subsolo, em geral, existe água em um determinado nível de profundidade – no qual muita gente, inclusive, perfura poços. Acima desse nível, a água consegue subir por capilaridade, podendo chegar até a atingir edificações, infiltrando-se pelas paredes e gerando uma série de problemas. Há casos, porém, em que o solo pode estar com os poros não completamente preenchidos, o que constitui o chamado solo não saturado.

Este é o alvo do grupo de estudos liderado pelo professor Fernando Marinho no curso de Engenharia Civil da Escola Politécnica (Poli) da USP. As linhas de pesquisa do núcleo, que pertence ao Departamento de Estruturas Geotécnicas, se dividem em três aspectos. A primeira delas busca definir as condições do terreno, investigando-o, definindo o tipo de material que pode ser encontrado nele, e o estado desse material. Fernando Marinho conta que acompanha como a água se infiltra no solo e como ela evapora, pois a movimentação do líquido tem uma grande importância na interpretação. “Assim, quando surgem problemas associados a taludes [superfícies inclinadas que limitam um maciço de terra ou de rocha], ou a perda de água e infiltração, por exemplo, temos dados para responder”, explica. [...]

Leia a matéria completa em http://www5.usp.br/36649/poli-difunde-estudo-minucioso-do-solo-como-etapa-preliminar-da-construcao-civil/

Deixe uma resposta