Programação Museu – Mário de Andrade, Cartas do Modernismo


Carta de Di Cavalcanti para MA (Large) Carta de Di Cavalcanti para MA 2 (Large)

Enrico Bianco

MÁRIO DE ANDRADE – CARTAS DO MODERNISMO

  

O Museu Correios, a partir de 30 de outubro, apresenta a exposição Mário de Andrade – Cartas do Modernismo – passeio pelos bastidores do Modernismo brasileiro, com obras de pintores como Portinari, Di Cavalcanti e Anita Malfatti, tendo como fio condutor as cartas trocadas entre esses artistas e o correspondente contumaz, Mário de Andrade. Algumas das próprias correspondências podem ser consideradas obras de arte, ilustradas à mão por seus autores. 

A mostra, com curadoria de Denise Mattar, reúne um acervo completo e variado sobre um dos personagens mais importantes do movimento modernista – Mário de Andrade. São cartas, telas, imagens, fotos e textos traçando um panorama da implantação e expansão do Modernismo no Brasil. 

A correspondência de Mario de Andrade é reconhecida por seu expressivo volume e pela qualidade dos interlocutores envolvidos. São apresentadas cartas trocadas entre Mário e Anita Malfatti, Tarsila do Amaral, Candido Portinari, Di Cavalcanti, Enrico Bianco, Cícero Dias e Victor Brecheret. O foco da exposição está nas Artes Plásticas, mas são apresentadas também cartas que se referem ao tema na correspondência com Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade e Henriqueta Lisboa. 

Ao longo dos anos Mário de Andrade comprou e recebeu como presente muitas obras de arte, hoje abrigadas no IEB- Instituto de Estudos Brasileiros da USP. Entre os trabalhos cedidos para a exposição estão: “As Margaridas de Mário” de Anita Malfatti , “Mulher” de Di Cavalcanti, desenhos e aquarelas de Cícero Dias, Ismael Nery, Portinari, Segall, Zina Aita e Augusto Rodrigues. O principal destaque são os dois retratos do escritor realizados por Portinari, e Enrico Bianco. Pertencentes a outras coleções há as obras como a “Menina do Circo” de Di Cavalcanti e “O Violinista” de Portinari. 

Devido à sua fragilidade as cartas serão apresentada sob forma de fac-símile. Considerando também a dificuldade de compreensão da caligrafia antiga, parte delas foi transcrita e impressa para facilitar a leitura. Parte das cartas foi gravada pelo ator João Paulo Lorénzon, sendo este material apresentado em fones de ouvido. (O que estende a abrangência da mostra aos deficientes visuais). A exposição é complementada por uma cronologia de Mário de Andrade e um vídeo que contextualiza aquele período para o público, através de  fotos de época. Há ainda uma instalação interativa que recompõe cartas de Mário de Andrade. 

SERVIÇO

Mário de Andrade – Cartas do Modernismo

Museu Correios

Endereço: Setor Comercial Sul, Quadra 4, Bloco A, 256, Brasília – DF

Abertura: 30 de outubro de 2014 às 19h.

Visitação: de 31 de outubro de 2014 a 04 de janeiro de 2015

Horário de Visitação: de terça-feira a sexta, das 10 às 19h e sábados, domingos e feriados, das 12 às 18h.

Telefone: (61) 3213-5076

E-mail: museu@correios.com.br

Entrada Franca. Recomendação etária: Livre

Acesso para pessoas com necessidades especiais

Fonte: Marta Ribeiro de Souza – ANALISTA DE CORREIOS JR – JORNALISTA / AC/PRESI/GAPRE/DEGEC

Espaço do Conhecimento UFMG promove debate sobre jogos de RPG e suas interseções com o cinema e a literatura


Café Controverso 01_11

Nos limites da imaginação

Espaço do Conhecimento UFMG promove debate sobre jogos de RPG e suas interseções com o cinema e a literatura

O Café Controverso do próximo sábado, 1º de novembro, vai trazer à tona a temática dos jogos de RPG. O encontro, que acontece às 11 horas na cafeteria do Espaço do Conhecimento UFMG, discutirá possibilidades narrativas e estéticas do jogo, analisando sua relação com outras linguagens. Com o tema “RPG, cinema e literatura – do leitor solitário às realidades multiplayer”, o encontro reunirá o arquiteto, urbanista e criador de jogos Eduardo Caetano e o filósofo e um dos tradutores do livro Chamado de Cthulhu (Ed. Terra Incógnita) Kairam Ahmed Hamdan. A entrada é gratuita. 

Eduardo Caetano é o criador de Violentina, o primeiro jogo de RPG lançado por meio de financiamento coletivo no Brasil. Inspirado na estética e na narrativa dos filmes de Quentin Tarantino e Guy Ritchie, o jogo utiliza um sistema baseado em cartas e fichas de pôquer, que distribuem o controle narrativo entre os jogadores – transformando aspectos e características específicas desse tipo de filme em mecânicas de jogo.

De acordo com Eduardo, a discussão em torno da visão do RPG enquanto linguagem autônoma tem crescido. “É um campo em disputa; na verdade, está sendo construído neste instante. Por muito tempo o RPG foi um hobby que oferecia potenciais, mas somente agora eles começaram a ser explorados, em termos de estética, narrativa e interação.”

Kairam Hamdan joga RPG há 25 anos e, para ele, apesar de possuir muitos adeptos em várias partes do mundo, o jogo sempre ficou restrito a certos nichos e teve pouca exposição, o que dificultou a difusão da prática. “Essa proposta de delimitar uma linguagem própria do RPG é como uma busca por autonomia. Um dos obstáculos enfrentados foram associações equivocadas feitas pela sociedade norte-americana nos anos 80, quando o jogo surgiu. Muitas famílias se preocupavam que aquilo poderia influenciar negativamente a educação dos filhos, da mesma forma como aconteceu com os quadrinhos e até com o próprio cinema”, conclui.

Café Controverso

O conhecimento raramente passa pelo consenso e sua construção se faz, sempre, pelo diálogo. Nos Cafés Controversos, os temas são amplos e diversificados, e não se detêm aos tratados no interior do Espaço do Conhecimento: abordam diferentes setores da cultura, das artes e da ciência. Um espaço de debate e troca de ideias e perspectivas.

O Espaço do Conhecimento UFMG estimula a construção de um olhar crítico acerca da produção de saberes através da utilização de recursos museais. Sua programação diversificada inclui exposições, cursos, oficinas e debates. Integrante do Circuito Cultural Praça da Liberdade, o Espaço do Conhecimento é fruto da parceria entre a operadora TIM, a UFMG e o Governo de Minas. O Espaço conta com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais – FAPEMIG, Rede de Museus e Espaços de Ciências e Cultura da UFMG e da DAC – Diretoria de Ação Cultural da UFMG. 

Serviço:

Café Controverso – “RPG, cinema e literatura – do leitor solitário às realidades multiplayer

Data: 1º de novembro, às 11h

Local: Espaço do Conhecimento UFMG – Praça da Liberdade, 700

Entrada franca

Mais informações: www.espacodoconhecimento.org.br

Fonte: Tamira Marinho <imprensa@espacodoconhecimento.org.br>

Osesp


osesp 60 anos (2)OSESP COM ANDREW MANZE (REGENTE) E FRANCESCO PIEMONTESI (PIANO) | OBRAS DE BRAHMS, HAYDN E LIZST | 23 A 25 OUTUBRO

Dois convidados internacionais participam pela primeira vez da Temporada da Osesp: o regente inglês AndrewManze (titular da Orquestra Filarmônica da Rádio NDR de Hannover) e o jovem pianista suíço-italiano Francesco Piemontesi, indicado em 2012 pela revista BBC Music Magazine como uma das promessas daquele ano.

Dando início ao programa, a Orquestra apresenta as Variações Sobre um Tema de Haydn, de Johannes Brahms (17 min), obra que consagrou o compositor alemão e preparou o caminho para uma de suas obras-primas, a Sinfonia nº 1.

Em seguida, o pianista Francesco Piemontesi se junta à Osesp para interpretar o Concerto Para Piano em Ré Maior, de Joseph Haydn (18 min), um dos mais populares do compositor do período clássico.

A segunda parte do programa traz duas obras de Franz Lizst: primeiramente, o virtuoso Concerto nº 2 Para Piano em Lá Maior (21 min), com solo de Piemontesi, e, ao final, a Evocação à Capela Sistina [Sobre Temas de Allegri e Mozart] (15 min), executada pela Osesp.

Informações sobre os concertos:
23/10 (qui) e 24/10 (sex), às 21h; 25/10 (sáb), às 16h30.
Ingressos entre R$ 36,00 e 166,00.
http://www.osesp.art.br/concertoseingressos/concerto.aspx?IdApresentacao=5282

Saiba mais sobre Francesco Piemontesi:
http://francescopiemontesi.com/

Saiba mais sobre Andrew Manze:
http://www.intermusica.co.uk/artists/conductor/andrew-manze/biography

REVISTA OSESP
Acesse o link e leia conteúdos relacionados aos programas:
http://www.osesp.art.br/portal/paginadinamica.aspx?pagina=revistaosesp

OSESP 60 ANOS
Saiba mais:
http://www.osesp.art.br/portal/paginadinamica.aspx?pagina=linhadotempo

SALA SÃO PAULO – SERVIÇO
Praça Júlio Prestes, 16
Bilheteria: (11) 3223-3966 (Sala São Paulo: 1340 lugares | Sala do Coro: 150 lugares)
Recomendação etária: 7 anos
Ingresso Rápido: (11) 4003-1212; www.ingressorapido.com.br
Cartões de crédito: Visa, Mastercard, American Express e Diners.
Estacionamento: R$ 20,00 (611 vagas, sendo 20 para portadores de necessidades especiais e 33 para idosos).

Aposentados, pessoas acima de 60 anos, estudantes e professores da rede pública têm 50% de desconto, mediante comprovação em todas as atividades.

Fonte: Imprensa <Imprensa@osesp.art.br>

O que é conhecimento de ponta? – Espaço do Conhecimento UFMG realiza debate dentro da programação da 11ª Semana de Ciência e Tecnologia


Espaço do Conhecimento UFMG - fachada digital

Em 2014 a 11ª Semana de Ciência e Tecnologia acontece entre 13 e 19 de outubro. Promovido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), neste ano o evento traz como tema “Ciência e tecnologia para o desenvolvimento social”. Em consonância com a data, o Café Controverso do próximo sábado recebe o professor titular do Departamento de Física da UFMG Ado Jorio e a professora associada à Faculdade de Educação da UFMG Ana Gomes para falarem sobre o tema “O que é conhecimento de ponta?”.
No debate, os convidados vão trazer diferentes perspectivas sobre o que pode ser definido como conhecimento e falar sobre a relação das ciências de ponta com o desenvolvimento social. O encontro acontece às 11h na cafeteria do museu, e tem entrada gratuita.
Para Ado Jorio, conhecimento de ponta poderia ser definido como aquelas questões sobre as quais nossa ciência e nossa filosofia ainda não possuem clareza absoluta de como desenhar os entornos. “Seria uma espécie de conhecimento que está na fronteira entre o estabelecido e o desconhecido. Na verdade, acredito que seria mais apropriado falar de tecnologia ou ciência de ponta.”
Ana Gomes vai trazer para o encontro perspectivas que passam pela temática dos diferentes regimes de conhecimento e da inserção dos povos indígenas na universidade: “Pretendo levar uma reflexão sobre como o mundo pode estabelecer relações com outros sistemas de conhecimento. É interessante pensar, por exemplo, as razões que levaram o Instituto de Estudos Avançados Transdisciplinares (Ieat) a convidar, no ano passado, o líder ianomâmi Davi Kopenawa para ministrar uma conferência na UFMG”.
Café Controverso
O conhecimento raramente passa pelo consenso e sua construção se faz, sempre, pelo diálogo. Nos Cafés Controversos, os temas são amplos e diversificados, e não se detêm aos tratados no interior do Espaço do Conhecimento: abordam diferentes setores da cultura, das artes e da ciência. Um espaço de debate e troca de ideias e perspectivas.

O Espaço do Conhecimento UFMG estimula a construção de um olhar crítico acerca da produção de saberes através da utilização de recursos museais. Sua programação diversificada inclui exposições, cursos, oficinas e debates. Integrante do Circuito Cultural Praça da Liberdade, o Espaço do Conhecimento é fruto da parceria entre a operadora TIM e a UFMG e conta com o apoio da Rede de Museus e Espaços de Ciências e Cultura da UFMG e da DAC – Diretoria de Ação Cultural da UFMG.

Serviço:
Café Controverso: O que é conhecimento de ponta?
Data: 18 de outubro, 11h
Local: Espaço do Conhecimento UFMG – Praça da Liberdade, 700
Entrada franca
Mais informações: www.espacodoconhecimento.org.br

Fonte:Tamira Marinho <imprensa@espacodoconhecimento.org.br>

Temporada OSESP 2015 | Lugares da Música


osesp 60 anos (2)

Os “Lugares da Música” podem ser muitos e carregar significados diversos: desde os espaços destinados à prática musical, como a própria Sala São Paulo, até as cidades, bairros e ruas que são tradicionalmente berços da música, como São Petersburgo, Lapa, ou Broadway. Podem ser ainda os lugares da música na atualidade, no contexto socioeconômico; ou ainda os lugares da música na vida de cada pessoa. 

Esse mote, múltiplo e tão cheio de possibilidades, é o que inspira a Temporada 2015, estendendo-se às demais atividades realizadas pela Fundação Osesp. Na programação, está representado por obras que evocam diretamente lugares reais ou imaginados, como aSinfonia Praga de Mozart, os jardins de Takemitsu (Compositor Transversal da Temporada 2015), Um Americano em Paris, de Gershwin, ou até mesmo Os Planetas, de Holst. 

Já nos projetos da Fundação Osesp, os lugares da música na sociedade se realizam por meio de educação e difusão musical. O Descubra a Orquestra, por exemplo, continua a receber cerca de 120 mil crianças e adolescentes para concertos didáticos gratuitos, além de formar mais de mil professores das redes pública e privada. Na Academia da Osesp, jovens instrumentistas aprimoram seus conhecimentos e, nos Coros Infantil, Juvenil e Acadêmico da Osesp, a excelência se dá desde a formação até o nível profissional. O Festival de Inverno de Campos do Jordão também prossegue com sua intensa programação pedagógica e artística; e as Turnês Itinerantes, oferecendo cursos, oficinas e concertos gratuitos por todas as regiões do Estado de São Paulo. 

Também consolidam esses lugares da música as palestras e encontros das séries Falando de Música e Música na Cabeça; os concertos a preço popular, matinais gratuitos e concertos digitais; os concertos transmitidos pela Rádio e TV Cultura, e os boletins “Minuto Osesp”, pela Rádio CBN SP; além das edições da Revista Osesp, as gravações pelo Selo Digital Osesp para download gratuito e os projetos de edição e publicação de partituras do Centro de Documentação Musical e da editora Criadores do Brasil. 

A Osesp tem direção executiva de Marcelo Lopes, direção artística de Arthur Nestrovski e direção musical e regência titular de Marin Alsop. Os concertos da Osesp são uma realização do Governo do Estado de São Paulo, por intermédio da Secretaria de Estado da Cultura, e contam com o patrocínio do Itaú Personnalité, Banco do Brasil Estilo, Deloitte e Credit Suisse.

 PROGRAMAÇÃO 2015

A Temporada 2015 terá 36 semanas de concertos assinatura (com três concertos por semana), incluindo uma série especial de duas semanas com as quatro sinfonias de Brahms regidas pela diretora musical Marin Alsop, e outra série de duas semanas com os concertos de Arnaldo Cohen, Artista em Residência desse ano, além dos concertos pré-Temporada e do projeto Osesp Itinerante. 

Participam mais de 70 regentes e solistas convidados em uma programação que busca equilibrar tanto as peças canônicas do repertório sinfônico quanto obras menos conhecidas de grandes compositores, além de obras importantes de compositores menos conhecidos e peças inéditas, especialmente encomendadas. 

DESTAQUES DA TEMPORADA 2015:

  • Marin Alsop rege a integral das quatro sinfonias de Brahms, em dois programas (setembro e outubro);
  • Arnaldo Cohen é o Artista em Residência: toca em dois concertos com orquestra, faz um recital solo e um programa com violoncelista Antonio Meneses (março e novembro);
  • John Adams é o Compositor Visitante, regendo a Osesp e participando de encontro com o público na série Música na Cabeça (agosto);
  • Toru Takemitsu é o Compositor Transversal, com obras tocadas pela Osesp, Orquestra de Câmara da Osesp, Quarteto Osesp, Coros da Osesp e grupos de câmara ao longo da Temporada;
  • Ciclo “Quem Tem Medo de Schoenberg?”, inclui concertos em celebração aos 80 anos do maestro Isaac Karabtchevsky, regendo a cantata Gurrelieder, com participação especial da atriz alemã Barbara Sukowa (setembro);
  • A pianista Angela Hewitt toca A Arte da Fuga, de Bach, além de um concerto deMozart com a Osesp (abril);
  • Matthias Goerne canta a obra para barítono e orquestra de Marc-André Dalbavie, uma co-encomenda da Osesp com a Orquestra de Paris e a Filarmônica de Londres (julho);
  • Osmo Vänskä rege obra inédita para coro e orquestra de Aylton Escobar, encomenda que inaugura parceria Osesp–Gulbenkian (abril-maio);
  • Marin Alsop rege as Sinfonias nos. 4 e 5 de Gustav Mahler (fevereiro e dezembro);
  • A violinista Patricia Kopatchinskaja toca pela primeira vez com a Osesp (maio);
  • Os regentes Stéphane Denève (maio), Louis Langrée (outubro e novembro) e Kristjan Järvi (março) voltam à Sala São Paulo para comandar programas com a Osesp.

 OUTROS ARTISTAS EM DESTAQUE 

  • Nelson Goerner, piano (agosto)
  • Bertrand Chamayou, piano (dezembro)
  • Miah Persson, soprano (novembro)
  • Measha Brueggergosman, soprano (maio)
  • Hakan Hardenberger, trompete (março)
  • Antoine Tamestit, viola (agosto) 

CICLOS 

Quem tem medo de Schoenberg?: uma semana de concertos sinfônicos e de câmara com obras do compositor austríaco, com destaque para a cantata Gurrelieder, regida por Isaac Karabtchevsky, na celebração de seus 80 anos de idade. O regente associado Celso Antunes rege a Sinfonia de Câmara no. 2, do compositor, e o professor da USP Jorge de Almeida ministra quatro aulas sobre o autor. 

Sinfonias de Brahms: emduas semanas, a titular Marin Alsop rege as quatro sinfonias de Johannes Brahms. 

Sinfonias de Sibelius: encerramento do ciclo com a integral das sinfonias do compositor finlandês, no ano em que se comemoram os 150 anos de seu nascimento. O regente finlandês Osmo Vänskä comanda as Sinfonias ns. 6 e 7 e faz uma audição comentada das sinfonias, na série Música na Cabeça. 

Mendelssohn em Foco: obras do compositor romântico alemão para diversas formações, executadas ao longo da Temporada. Entre outras, o Artista em Residência, Arnaldo Cohen, interpreta o Concerto para Piano no.1, com regência de Isaac Karabtchevsky, e Osmo Vänskä rege a Sinfonia nº 3 em lá menor, Op.56 – Escocesa

Strauss Essencial: seleção de obras do grande compositor alemão. Entre os destaques estão O Cavaleiro da Rosa – Suíte, regida por Marin Alsop, e as Quatro Últimas Canções, interpretadas pela soprano sueca Miah Persson, com a Osesp comandada pelo jovem regente e compositor inglês Ryan Wigglesworth. 

Nielsen 150: Em junho, a Osesp celebra os 150 anos de nascimento do compositor dinamarquês Carl Nielsen. Seu conterrâneo, o maestro Thomas Dausgaard, rege a Sinfonia n.4 e a Abertura Hélios, além de dar palestra sobre o autor. Julian Bliss será o solista doConcerto para Clarinete e o Quarteto Osesp toca o Quarteto em Sol Menor, Op.13

Scriabin 100: no ano que marca seu centenário de morte, a Temporada Osesp apresenta panorama da produção sinfônica e pianística do compositor russo, desde sua fase inicial até a mais ousada, precursora das vanguardas europeias. Destaque para O Poema do Êxtase, regido por Louis Langrée, e obras incluídas em recitais dos pianistas Nelson Goerner e Cristian Budu. 

COMPOSITOR TRANSVERSAL 

Toru Takemitsu (1930-96) será o Compositor Transversal da Temporada 2015, com obras sinfônicas, corais e de câmara tocadas ao longo de todo o ano. Um dos mais importantes compositores japoneses do século XX, sua escrita combina elementos da tradição oriental e ocidental, de maneira ímpar, explorando silêncios e texturas. 

Entre as peças do autor incluídas naprogramação da Temporada, destaque para o Ciclo de Canções II, com o Coro da Osesp regido por Naomi Munakata, e A Flock Descends Into The Pentagonal Garden, com a Osesp sob a regência de Celso Antunes. 

ARTISTA EM RESIDÊNCIA 

O pianista brasileiro Arnaldo Cohen é o Artista em Residência da Temporada 2015. Ele será o solista do Concerto nº 1 para Piano em si bemol menor, Op.23, de Tchaikovsky, regido por Kristian Järvi, e do Concerto nº 1 para Piano em sol menor, Op.25, de Mendelssohn, regido por Isaac Karabtchevsky (ciclo Mendelssohn em Foco). Também fará recital ao lado de Antonio Meneses, além de um recital solo, e participa de um encontro com o público na série Música na Cabeça. 

Além de recitalista, concertista e músico de câmara, Cohen, desde 2013, é diretor artístico da Portland Piano International, série de concertos realizada em Portland, EUA. Tem se apresentado como solista à frente das mais importantes orquestras do mundo. Radicado nos Estados Unidos desde 2004, foi o primeiro músico brasileiro a assumir uma cátedra vitalícia na Escola de Música da Universidade de Indiana. 

Saiba mais sobre o pianista: http://www.arnaldocohen.com/pt/cohenHome.php. 

COMPOSITOR VISITANTE 

O norte-americano John Adams será o Compositor Visitante da Temporada 2015. Um dos mais respeitados autores da atualidade, tem em sua produção obras sinfônicas, de câmara e operísticas marcadas por uma linguagem expressiva e por temas humanísticos. Atua também como regente à frente de diversas orquestras internacionais. 

Adams já teve várias obras tocadas pela Osesp, entre elas o Concerto para Violino e Orquestra (com Leila Josefowicz, em 2010),Short Ride in a Fast Machine (regida por Marin Alsop, em 2011), Harmonielehre (regida por Lawrence Renes, em 2012), além da estreia latino-americana do Concerto Para Saxofone e Orquestra (com Timothy McAllister, em 2014), uma co-encomenda da Osesp com a Sydney Symphony Orchestra, a Baltimore SymphonyOrchestra e a Saint Louis Symphony Orchestra. 

Em agosto, ele rege a Osesp em um programa que inclui a peça Absolute Jest, de sua autoria, para quarteto de cordas e orquestra, com o Quarteto Osesp como solista, Lendas Lemminkäinen Op.22: O Retorno, de Sibelius (um de seus compositores favoritos), e aSinfonia no.7 de Beethoven. Participa também de um encontro com o público na série Música na Cabeça, e tem ainda um filme exibido, a seu respeito. 

Saiba mais sobre o compositor:http://www.earbox.com/biography.

MÚSICO HOMENAGEADO 

Representando as novas gerações de instrumentistas da Osesp, especialmente os músicos formados pela Academia da Osesp, o homenageado desta Temporada é o jovem oboísta Ricardo Barbosa. Ex-aluno da Academia e membro da Orquestra desde 2011, conquistou medalha de bronze no Concurso Primavera de Praga, um dos mais importantes do mundo em 2014. Em dezembro, ele toca o primeiro oboé no Tombeau de Couperin, de Ravel, sob regência de Marin Alsop. 

ASSINATURAS 

Os concertos da Osesp na Sala São Paulo são agrupados em séries de assinaturas que podem ser adquiridas antes do início de cada temporada.

Renovações de assinaturas 

- DE 20 DE OUTUBRO A 10 DE NOVEMBRO DE 2014: Apenas para assinantes da Temporada 2014. 

Trocas solicitadas

- DE 11 DE NOVEMBRO A 25 DE NOVEMBRO DE 2014: Para todos os assinantes da Temporada 2014 que indicaram na primeira fase a intenção de troca. 

Novas assinaturas:

- DE 26 DE NOVEMBRO A 21 DE DEZEMBRO DE 2014 (VALOR PROMOCIONAL): aquisições pela Central de atendimento e pela Internet;

- DE 21 DE DEZEMBRO DE 2014 A 4 DE JANEIRO DE 2015: aquisições apenas pela Internet.

A renovação e a aquisição de novas assinaturas serão realizadas exclusivamente pelos seguintes canais:

Central de Atendimento: Tel. 4003-2052

Internetwww.osesp.art.br/assinaturas

Fonte: Imprensa@osesp.art.br

Café Controverso: Espaço do Conhecimento discute o diagnóstico e a prevenção do câncer de mama em homens e mulheres


outubro-rosa-12

Outubro Rosa

Prevenção do câncer de mama entre homens e mulheres é tema do Café Controverso de sábado, 11 de outubro

No mês de outubro, várias cidades do mundo iluminam seus edifícios com a luz cor de rosa, em uma iniciativa popular que visa lembrar homens e mulheres sobre a importância da prevenção do câncer de mama. Conhecido como Outubro Rosa, o evento busca promover a luta contra a doença e estimular a participação da população, empresas e entidades. Aderindo à mobilização, o Espaço do Conhecimento UFMG promove no próximo sábado, 11 de outubro, o Café Controverso “Câncer de mama: diagnóstico e prevenção para homens e mulheres”. Os convidados são o médico mastologista da Associação Médica de Minas Gerais e do Hospital das Clínicas (UFMG) Gabriel de Almeida S. Junior e a integrante do Grupo “Toque de Amor” Ana Carolina Calabró Queiroga. O encontro acontece às 11h, na Cafeteria do museu, e tem entrada gratuita.

A história do Outubro Rosa remonta ao final dos anos 90, quando o laço cor de rosa foi lançado pela Fundação Susan G. Komen for the Cure e distribuído aos participantes da primeira Corrida pela Cura, realizada em Nova York. Desde então, o movimento vem se difundindo em diversos tipos de atividades ao redor de todo o mundo e ganhando, a cada dia, mais adeptos. 

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva, o câncer de mama é o segundo tipo mais frequente no mundo. É também o mais comum entre as mulheres, respondendo por 22% dos novos casos a cada ano. Apesar da menor incidência, a doença se mostra bastante problemática para os homens, que costumam descobrir e tratar a doença já em estágios mais avançados – o que diminui as chances de cura. 

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), nas décadas de 60 e 70 registrou-se um aumento de 10 vezes nas taxas de incidência ajustadas por idade nos Registros de Câncer de Base Populacional de diversos continentes. No Brasil, as taxas de mortalidade continuam elevadas, muito provavelmente porque a doença ainda é diagnosticada em estágios avançados.

Ana Carolina Calabró Queiroga descobriu o câncer de mama aos 36 anos de idade, por meio do autoexame. Ela passou por uma mastectomia, sessões de rádio e de quimioterapia e finalizou o tratamento em 2012. Ela explica que ter conseguido perceber o nódulo enquanto este ainda estava pequeno foi crucial para seu tratamento. “Como já havia tido um pequeno problema com a outra mama eu realizava o autoexame com frequência, e ficava alerta para qualquer coisa diferente que encontrava. Quando descobri o nódulo procurei logo um mastologista e, por sorte, descobrimos que ele não havia chegado a um estágio avançado.” 

Junto a outras três mulheres que passaram pelo tratamento do câncer de mama, Ana Carolina fundou um grupo de trocas de experiências, via rede social. Intitulado “Toque de Amor”, o grupo acaba de se tornar uma página aberta ao público. “Nos encontrávamos periodicamente para trocar ideias, fazemos visitas a pacientes que estão debilitadas e, principalmente, apoiamos as mulheres que estão nessa luta. Faz muita diferença poder conversar com alguém que já viveu essa experiência e que a superou. Alguém que sabe exatamente o que se está passando”, acrescenta.  

Café Controverso

O conhecimento raramente passa pelo consenso e sua construção se faz, sempre, pelo diálogo. Nos Cafés Controversos, os temas são amplos e diversificados, e não se detêm aos tratados no interior do Espaço do Conhecimento: abordam diferentes setores da cultura, das artes e da ciência. Um espaço de debate e troca de ideias e perspectivas.

Espaço do Conhecimento UFMG estimula a construção de um olhar crítico acerca da produção de saberes através da utilização de recursos museais. Sua programação diversificada inclui exposições, cursos, oficinas e debates. Integrante do Circuito Cultural Praça da Liberdade, o Espaço do Conhecimento é fruto da parceria entre a operadora TIM e a UFMG e conta com o apoio da Rede de Museus e Espaços de Ciências e Cultura da UFMG e da DAC – Diretoria de Ação Cultural da UFMG.

Serviço:

Café Controverso – “Câncer de mama: diagnóstico e prevenção para homens e mulheres”

Data: 11 de outubro, 11h

Local: Espaço do Conhecimento UFMG – Praça da Liberdade, 700

Entrada franca

Mais informaçõeswww.espacodoconhecimento.org.br

Fonte: Rogério Dias – Espaço do Conhecimento UFMG

Espaço do Conhecimento UFMG – Programação da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia


ciencia2

Com o tema “Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Social”, a edição 2014 da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) será realizada entre 13 e 19 de outubro em vários espaços e instituições do país. O Espaço do Conhecimento UFMG participa do evento pela segunda vez com uma programação que, a exemplo das demais ações desenvolvidas pelo museu, busca promover a interlocução entre as diversas formas de conhecimento – acadêmico ou popular –, sendo o público um agente importante e ativo no processo de troca e construção dos saberes.

Realizada desde 2004, a Semana Nacional de C&T é uma iniciativa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). 

Programação Espaço do Conhecimento na Semana Nacional de C&T 

Oficinas e cursos

*As inscrições podem ser encerradas antes do prazo previsto caso as vagas sejam preenchidas. 

Minicurso: Fulldome – 14/10

fulldome é uma mídia audiovisual imersiva, baseada na projeção em telas hemisféricas, tais como as encontradas em planetários. Trata-se de um formato que cria diversos desafios para sua produção, ao mesmo tempo em que abre inúmeras possibilidades para produções artísticas e experimentais. O minicurso irá traçar um panorama histórico e conceitual em torno do fulldome, abordando as diversas possibilidades técnicas de produção para esta mídia. Também serão exibidos alguns curtas e experimentos produzidos pela equipe do Espaço do Conhecimento UFMG.

O minicurso será ministrado por Vitor Amaro (Núcleo de Audiovisual) e Leonardo Marques (Núcleo de Astronomia).

Informações:

Local: Planetário do Espaço do Conhecimento UFMG

Horário: das 19h às 21h

Inscrições gratuitas – formulário disponível no site www.espacodoconhecimento.org.br

Período de inscrição: de 7/10 às 18h a 14/10 às 13h

Vagas: 55 participantes

Classificação: Livre

Recomendação: Profissionais e estudantes das áreas de artes visuais, música, comunicação, cinema, animação e design. 

Oficina de espectroscópio – Descobrindo o espectro da luz - 18/10

Os participantes construirão um espectroscópio simples para visualizar a dispersão da luz em espectros contínuos e descontínuos, proveniente de diversas fontes luminosas, inclusive o Sol. As raias do espectro descontínuo são provocadas por um efeito quântico, que permite inferir sobre a composição da matéria de que estrelas são formadas.

Informações:

Local: Terraço Astronômico

Horário: das 13h30 às 14h30

Inscrições gratuitas – formulário no site www.espacodoconhecimento.org.br

Período de inscrição: de 7/10 às 18h a 17/10 às 13h

Vagas: 25 participantes

Classificação: Livre

Recomendação: a partir de 10 anos. 

Programação regular

Exposição Na escala

O “visível mediado e o invisível imaginado” estão presentes na exposição Na Escala, do Espaço do Conhecimento UFMG. A mostra reúne uma série de imagens que apresentam a relação de escala entre macro e micro objetos por meio de várias possibilidades de representações, como fotografias, ilustrações, imagens extraídas de telescópios, microscópios, sensores e muita imaginação.

Informações:

Terça a domingo, das 10h às 17h. Quinta-feira, das 10h às 21h

Escadaria do museu

Entrada gratuita 

Exposição Demasiado Humano

A questão básica sobre a busca do conhecimento e a compreensão do universo é o ponto de partida da exposição Demasiado Humano, que ocupa três andares do Espaço do Conhecimento UFMG. O trabalho é resultado de pesquisas realizadas na UFMG em diferentes áreas do conhecimento: astrofísica, paleontologia, genética, arqueologia, antropologia, literatura, linguística, história e ecologia, e envolve uma equipe de 30 pesquisadores da Universidade, além de profissionais de diversas áreas.

Informações:

Terça a domingo, das 10h às 17h. Quinta-feira, das 10h às 21h

3º, 4º e 5º andares do museu

Entrada gratuita 

Exposição ¡MIRA! – Artes Visuais Contemporâneas dos Povos Indígenas

A mostra reúne trabalhos de artistas indígenas de cinco países da América Latina – Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador e Peru. Inaugurada em 2013 no Centro Cultural UFMG, a ¡Mira! traz expressões artísticas variadas, como telas e esculturas, além de vídeos que contam a história da concepção das obras, propondo uma nova leitura. A exposição é resultado das pesquisas do núcleo Literaterras e de realização do Espaço do Conhecimento UFMG e da DAC – Diretoria de Ação Cultural da UFMG.

Informações:

Terça a domingo, das 10h às 17h. Quinta-feira, das 10h às 21h

2º andar do museu

Entrada gratuita 

Planetário

O Planetário do Espaço do Conhecimento UFMG exibe filmes com programação voltada para crianças e adultos. Oferece também sessões com projeções astronômicas guiadas pela equipe de astronomia do museu, abordando temas como “O céu de Belo Horizonte”, “A Lua e o zodíaco” e “Astronomia indígena”. Instalado no quinto andar, com cadeiras reclináveis e sala climatizada, o planetário tem capacidade para 65 pessoas e funciona em sessões regulares.

Informações:

Terça a domingo, das 10h às 17h. Quinta-feira, das 10h às 21h

5º andar do museu

Entrada: Inteira R$ 6,00 Meia R$ 3,00 

Jogos do Conhecimento

Diversão e desafios postos à mesa. A atividade aproxima o público de brincadeiras que fazem parte de diferentes tradições culturais, instigando a curiosidade de crianças, jovens e adultos. O objetivo é aproximar o público de brincadeiras que fazem parte de diferentes tradições culturais.

Informações:

Todas as quintas, das 17h às 21h

2º andar do museu

Atividade gratuita   

Terraço Astronômico

Observação do céu por meio de telescópio e em conjunto com um software que simula, com precisão, a posição dos astros, objetivando auxiliar a construção do conhecimento astronômico. O acesso ao terraço é permitido mediante a retirada de senha individual na recepção do museu. Nos dias de observação, 120 senhas são distribuídas, por ordem de chegada, a partir das 17h30. O terraço poderá não ser aberto caso as condições meteorológicas do dia impeçam as observações. Nesse caso, será mantida a distribuição de senhas, mas para apresentação sobre o funcionamento do telescópio. Se no decorrer da atividade as condições climáticas melhorarem, o teto retrátil poderá ser aberto para observação astronômica.

Informações:

Todas as quintas, das 19h às 21h

5º andar do museu

Atividade gratuita 

Espaço do Conhecimento UFMG estimula a construção de um olhar crítico acerca da produção de saberes através da utilização de recursos museais. Sua programação diversificada inclui exposições, cursos, oficinas e debates. Integrante do Circuito Cultural Praça da Liberdade, o Espaço do Conhecimento é fruto da parceria entre a operadora TIM e a UFMG e conta com o apoio da Rede de Museus e Espaços de Ciências e Cultura da UFMG e da DAC – Diretoria de Ação Cultural da UFMG.

Serviço:

Espaço do Conhecimento UFMG na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia

Período: 13 a 19 de outubro

Local: Espaço do Conhecimento UFMG – Praça da Liberdade, 700

Entrada franca

Mais informaçõeswww.espacodoconhecimento.org.br

Fonte: Rogério Dias – Espaço do Conhecimento UFMG

OSESP


osesp 60 anos (2)

OSESP COM MARIN ALSOP (REGENTE) | OBRAS DE JAMES MACMILLAN (COMPOSITOR VISITANTE) E BRAHMS | 09 A 11 OUTUBRO

A regente titular Marin Alsop continua à frente da Osesp na segunda semana de outubro, apresentando um programa com obras do compositor visitante James MacMillan e de Johannes Brahms. 

O concerto começa com duas peças de MacMillan: Britannia (14 min) – uma fantasia orquestral baseada em melodias populares britânicas e marchas militares –, e Woman of The Apocalypse [Mulher do Apocalipse] (20 min) – poema sinfônico inspirado em pinturas e gravuras sobre o tema bíblico de Albrecht Dürer, Peter Paul Rubens, Gustave Doré, William Blake e Pat Marvenko (obra que estreou no Festival deCabrillo, em 2012, regida por Marin Alsop). 

Na segunda parte do programa, a Osesp apresenta a Sinfonia nº 1 em Dó Menor, Op.68, de Brahms (45 min), obra-prima do compositor alemão que levou 14 anos para ser escrita. 

Na quinta, 09/10, às 10h, o público poderá acompanhar o Ensaio Aberto da Osesp, com ingressos a R$ 10,00. 

Informações sobre os concertos:

- Ensaio aberto, 09/10 (qui), R$ 10,00.

- Concertos, 09/10 (qui) e 10/10 (sex), às 21h; 11/10 (sáb), às 16h30. Ingressos entre R$ 36,00 e 166,00.

http://www.osesp.art.br/concertoseingressos/concerto.aspx?IDApresentacao=5273

Saiba mais sobre James MacMillan:

http://www.intermusica.co.uk/artists/conductor/james-macmillan/biography 

JAMES MACMILLAN (COMPOSITOR VISITANTE) REGE O CORO DA OSESP | 12 DE OUTUBRO, 16H 

O compositor visitante da Temporada 2014, James MacMillan, é o regente desse programa do Coro da Osesp, que inclui obras de inspiração religiosa de sua autoria e de outros compositores. 

O concerto abre com excertos da peçarenascentista Tenebrae Responsories (13 min), do compositor espanhol Tomás Luis de Victoria. 

Em seguida, o Coro interpreta Sun-Dogs [Cães do Senhor] (21 min), de MacMillan, obra dedicada à Ordem Dominicana e composta sobre um poema de Michael Symmons Roberts. Rica em simbolismo, explora sonoridades misteriosas e diversos efeitos vocais. Gravada em 2009 pelo Coro da Rádio da Holanda, sob a regência de Celso Antunes, regente associado da Osesp, foi indicada ao Gramophone Awards 2011 na categoria coral. 

O programa segue com Três Motetos, do compositor francês Francis Poulenc (11 min), peças que retomam a tradição renascentista de música religiosa coral a cappella, com novos matizes e sonoridades.

E termina com duas obras de MacMillan: Màiri (11 min), adaptação de uma elegia gaélica do compositor Evan MacColl, cujas as harmonias pentatônicas e desenho melódico são influência da música celta antiga; e O Bone Jesu (10 min),  inspirado em um moteto do monge e compositor escocês Robert Carver (1485-1570), escrito antes da Reforma Protestante na Escócia e revisitado por meio da linguagem musical atual de MacMillan, que explora uma ampla gama de texturas, contrapontos e combinações de vozes. 

Informações sobre o concerto:

12/10 (dom), às 16h. Ingressos: R$ 37,00.

http://www.osesp.art.br/concertoseingressos/concerto.aspx?IDApresentacao=5381 

Saiba mais sobre James MacMillan:

http://www.intermusica.co.uk/artists/conductor/james-macmillan/biography

Saiba mais sobre a obra Sun-dogs:

https://www.youtube.com/watch?v=mhi94IIc4tU

http://www.prestoclassical.co.uk/r/BIS/BISSACD1719

http://www.musicweb-international.com/classRev/2011/Apr11/MacMillan_bissacd1719.htm

Fonte: Alexandre Félix – Comunicação / Imprensa

Dia Mundial de Hospice e Cuidados Paliativos será comemorado no HCU-UFU‏


hospital de clinicas uberlandia

O Serviço de Oncologia do Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC-UFU) promove no dia 9 de outubro, às 9h, no hall de entrada do Hospital do Câncer, a comemoração do Dia Mundial de Hospice e Cuidados Paliativos. O evento, que está sendo organizado pela equipe de Cuidados Paliativos, terá como atração apresentações culturais e vai oferecer um lanche aos presentes. A comemoração visa oportunizar a participação das pessoas, divulgar os trabalhos realizados e promover a interação entre pacientes, familiares e equipe.

Este ano, o tema sugerido pela Associação Mundial de Cuidados Paliativos é “Alcançar a cobertura universal de Cuidados Paliativos: derrubando mitos”. Os esforços se unem na divulgação do Programa proporcionando ao paciente com câncer e sem possibilidade de cura melhor qualidade de vida.

  A OMS define que os Cuidados Paliativos consistem na abordagem para melhorar a qualidade de vida dos pacientes e seus familiares, no enfrentamento de doenças que oferecem risco de vida, através da prevenção e alívio do sofrimento, o que significa a identificação precoce e o tratamento da dor e outros sintomas de ordem física, psicossocial e espiritual.

 Fonte: Cristiane Guimarães / Assessoria de Imprensa

USP e CNPq promovem primeira Virada Científica de São Paulo


USP logo

Da Acadêmica, Agência de Comunicação

Simulação de terremoto, visita ao interior de uma célula humana gigante, shows de física, química e de matemática, workshop de criação de jogos de tabuleiro, palestras, caminhada monitorada, futebol de robôs e observação noturna do céu. Essas são algumas das atividades que serão realizadas na primeira edição da Virada Científica, promovida pela USP em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCTI). O evento terá 24 horas de duração, com início às 8 horas do dia 11 de outubro. A entrada é franca e não há restrição de idade e público.

Serão realizadas mais de 100 atividades, entre oficinas, experimentos, shows, jogos, palestras, sessões de cinema e de planetário – boa parte delas voltadas às crianças. A programação estará disponível a partir do dia 6 de outubro no site www.prceu.usp.br/viradacientifica. As atividades ocorrerão na Cidade Universitária, no Instituto Butantan, no Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), no Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), na Faculdade de Medicina (Zona Oeste), na Casa de Dona Yayá (Centro) e no Parque CienTec (Zona Sul). […]

Leia a matéria completa em http://www5.usp.br/65222/usp-promove-primeira-virada-cientifica-de-sao-paulo/

 

Sete museus da USP também estarão abertos ao público com entrada franca: Museu de Arte Contemporânea (MAC) da USP, Museu de Arqueologia e Etnologia, Museu Republicano Convenção de Itu, Museu de Anatomia Veterinária, Museu Oceanográfico, museus do Instituto Butantan e Museu de Geociências.

 

Café Controverso discute mobilidade urbana no Espaço do Conhecimento UFMG


mobilidade urbana

Café Controverso discute organização dos meios de transporte e o uso da bicicleta em Belo Horizonte

Evento acontece durante a Semana da Mobilidade no Brasil

O número crescente de veículos particulares tem tornado a circulação nos grandes centros urbanos um verdadeiro desafio, tanto para a população quanto para o poder público. Diante da nova realidade, o investimento em alternativas, como ciclovias, tem se intensificado em algumas das principais cidades brasileiras, embora os espaços existentes até então ainda sejam insuficientes. Quais medidas precisam ser tomadas? As bicicletas são realmente uma solução para o problema do trânsito? Essas questões serão discutidas no Café Controverso do próximo sábado, 27 de setembro, com o tema “Bicicletas e mobilidade urbana”. Participam do encontro André Schetino, coordenador do curso de Educação Física do Centro Universitário Izabela Hendrix e autor do blog “Até onde deu pra ir de bicicleta”, e Dimas Alberto Gazolla, professor da Escola de Engenharia da UFMG, especialista em planejamento de sistemas de transportes urbanos e impactos ambientais.

O Café tem início às 11h, na cafeteria do museu, e entrada gratuita. Após o debate, um grupo de Tweed Ride – encontro de ciclistas que gostam de pedalar à moda antiga, com figurinos inspirados nos anos 1900, vai se concentrar na Praça da Liberdade e seguir para o Museu Abílio Barreto, onde haverá atividades relacionadas ao uso da bicicleta.

Dimas Alberto Gazolla explica que para pensarmos a questão do transporte feito a pé e em bicicleta é necessário pensar a cidade como um todo, considerando também a relação dessas modalidades com as outras formas de transporte. “A matriz de transporte em Belo Horizonte é composta apenas por ônibus, automóveis e um trecho de 28 km de linha de metrô. Se pensarmos que a matriz ideal para uma cidade deveria ter, no mínimo, 14 tipos de modalidades de transporte, percebemos o quanto ainda temos para implementar.”

Para o professor, do ponto de vista conceitual, o planejamento de mobilidade de Belo Horizonte sempre foi na direção oposta da resolução dos problemas. “O ideal seria a criação de políticas públicas que descentralizassem a demanda de transporte e que fizessem a sua gestão. Belo Horizonte faz justamente o contrário – as ações correm atrás da demanda, e por isso nunca vão supri-las. É por isso que mesmo após grandes investimentos nunca conseguimos melhorar a questão do transporte na cidade, só piorá-lo.”

André Schetino é ciclista em Belo Horizonte há 14 anos e faz cicloturismo dentro e fora do Brasil. Para ele, o principal desafio para a propagação do uso da bicicleta em Belo Horizonte ainda é o apego à cultura do automóvel: “Agora o movimento começa a ganhar espaço na cidade, com grupos de ciclistas crescendo e se organizando para pressionar o poder público por mais ciclovias, e, nesse sentido, vemos a formação de uma situação de enfrentamento. Mas também existem pessoas que sustentam o mito de que BH não tem relevo para a bicicleta, que ciclovia toma o lugar dos carros, mas isso é um processo natural. Outras cidades, como Nova Iorque, e agora também São Paulo, passaram por isso.”

 

De acordo com o professor, apesar de ainda ter muito o que trabalhar na difusão da cultura da bicicleta, Belo Horizonte já se insere em um contexto mundial de busca por formas alternativas de transporte. “Tudo isso não está acontecendo de forma isolada. Temos encarado um problema mundial de colapso do trânsito e isso motiva as pessoas a buscar alternativas para os carros”, completa Schetino.

Café Controverso

O conhecimento raramente passa pelo consenso e sua construção se faz, sempre, pelo diálogo. Nos Cafés Controversos, os temas são amplos e diversificados, e não se detêm aos tratados no interior do Espaço do Conhecimento: abordam diferentes setores da cultura, das artes e da ciência. Um espaço de debate e troca de ideias e perspectivas.

Espaço do Conhecimento UFMG estimula a construção de um olhar crítico acerca da produção de saberes através da utilização de recursos museais. Sua programação diversificada inclui exposições, cursos, oficinas e debates. Integrante do Circuito Cultural Praça da Liberdade, o Espaço do Conhecimento é fruto da parceria entre a operadora TIM e a UFMG e conta com o apoio da Rede de Museus e Espaços de Ciências e Cultura da UFMG e da DAC – Diretoria de Ação Cultural da UFMG.

Serviço:

Café Controverso – Bicicletas e mobilidade urbana

Data: 27 de setembro, 11h

Local: Espaço do Conhecimento UFMG – Praça da Liberdade, 700

Entrada franca

Mais informaçõeswww.espacodoconhecimento.org.br

Fonte: Rogério Dias – Espaço do Conhecimento UFMG

Clic Clube apresenta programação especial para o último trimestre de 2014


Fotografia

Clic Clube apresenta programação especial para o último trimestre de 2014

 

O projeto do Sesc Consolação continua com a programação “E agora Fotografia”, com novos módulos, e traz ainda cursos especiais para educadores e palestras sobre a pesquisa da fotografia no Brasil.

 

O projeto Clic Clube* do Sesc Consolação encerra suas atividades em 2014 com programações especiais: além da continuidade do E agora fotografia?, um módulo voltado para educadores e um ciclo de palestras sobre livros fundamentais para a pesquisa em fotografia no Brasil integram a programação do último trimestre de 2014. 

E agora, fotografia?  surge como um questionamento à exposição Geração 00: a nova fotografia brasileira, organizada por Eder Chiodetto em 2011 no Sesc Belenzinho, e levanta questões fundamentais acerca da prática fotográfica na contemporaneidade, por meio de cursos, workshops e palestras realizadas nas unidades Consolação e Belenzinho com curadoria dos fotógrafos Eder Chiodetto*Livia Aquino*, Pio Figueiroa* eRonaldo Entler. 

Programação especial para educadores promove uma série de cursos voltados exclusivamente a professores, arte-educadores, agentes culturais ou integrantes de projetos sociais que envolvam práticas artísticas. Estes cursos pretendem levar os participantes a uma reflexão ampla sobre o modo como a imagem fotográfica se insere na cultura contemporânea, passando por experiências marcantes da história da fotografia, suas estratégias de representação, sua inserção na vida social e seus diálogos com outras artes. O objetivo é estimular o uso da fotografia nas práticas educacionais e apontar caminhos para a formação de um olhar mais crítico do público sobre a imagem. 

Já o ciclo de palestras Diálogos sobre a pesquisa em fotografia no Brasil propõe uma discussão sobre livros fundamentais para a pesquisa em fotografia no Brasil, passando por autores como Walter Benjamin, Roland Barthes, Philippe Dubois, Susan Sontag, Vilém Flusser e Georges Didi-Huberman. 

*Clic Clube é um projeto do SESC Consolação que tem por objetivo instigar a prática e a reflexão do ato fotográfico, oferecendo aos participantes uma oportunidade de mergulharem neste universo por meio de uma diversidade de propostas e profissionais, em cursos, workshops, vivências, eventos, exposições e mostras especiais.

 Confira as datas de abertura de inscrições e os cursos: 

No Sesc Consolação: 

Outubro, inscrições a partir de 30/9, na Central de Atendimento, 1º andar (exceto o curso A História que se Quer Contar, com inscrições a partir de 7/10).

Novembro, inscrições a partir de 30/10, na Central de Atendimento, 1º andar.

Módulo exclusivo a educadores, inscrições a partir de 13/11 para o curso de novembro e a partir de 20/11 para o curso de Dezembro. Ciclo de palestras, retirada de ingresso 30 minutos antes de cada atividade na Central de Atendimento, 1º andar. Vagas limitadas.  

No Sesc Belenzinho:

Outubro, inscrições a partir de 2/10, às 14h, no estacionamento – após esta data e havendo vagas remanescentes, inscrições a partir de 3/10, às 11h, no 1º pavimento. Módulo exclusivo a educadores, inscrições a partir de 23/10, às 14h, no estacionamento – após esta data e havendo vagas remanescentes, inscrições a partir de 24/10 às 11h no 1º pavimento.

Ciclo de palestras, retirada de ingresso trinta minutos antes de cada atividade na Sala de Oficinas 3, 1º pavimento. Vagas limitadas.  

Vagas limitadas. Início das atividades condicionado a número mínimo de participantes. Informe-se sobre os pré-requisitos para cada atividade.

* Usuário matriculado no SESC e dependentes. ** Trabalhador no comércio de bens e serviços matriculado no SESC e dependentes.  

OUTUBRO  

FILME DE ARQUIVO

Com Denise Agassi

Dias 2 e 9 de outubro – quintas, das 18h30 às 21h30.

A partir de 16 anos. 

Sesc Belenzinho – Sala de Oficinas 3

R$ 10 / R$ 5 * / Grátis **

Produção de um audiovisual a partir da apropriação e rearticulação em tempo real de imagens depositadas nas redes. Essa atividade permite pensar as estruturas e fluxos das redes de comunicação e dos bancos de dados online, garantindo o sentido das imagens que circulam num mundo marcado pelo excesso de informações.

Denise Agassi – artista e pesquisadora, desenvolve trabalhos no âmbito da artemídia e das experimentações com as novas tecnologias do audiovisual. Em sua pesquisa artística, investiga arquivos online para questionar a relação do espaço físico com o virtual, identificando as limitações e potencialidades que envolvem as formas de representação coletiva em diálogo com a vida contemporânea. 

FOTOGRAFIA, UMA HISTÓRIA

Com Fernando Schmitt

Dias 4, 11, 18 e 25 de outubro – sábados, das 14h às 18h30.

A partir de 16 anos.

Sesc Consolação – Sala Delta, 7º andar.

R$ 10 / R$ 5 * / Grátis ** 

Uma abordagem não cronológica da história da fotografia. O programa revê a experiência de fotógrafos consagrados de diferentes épocas por meio de temas e questões recorrentes em sua produção. Recorre à história como forma de construir um repertório crítico e articulado de conceitos que permitem pensar as imagens do presente.  

Fernando Schmitt – fotógrafo, graduado em Jornalismo e mestre em Comunicação Social, atua como professor de fotografia desde 1995. Trabalhou na Escola Panamericana de Arte e Design/SP, UNISINOS-RS, PUC-RS, UFRGS e ESPM-RS. Coordena atividades de pesquisa no Grupo de Estudos e Criação em Fotografia do Ateliê Fotô e participa como oficineiro do projeto Pontos MIS do Museu da Imagem e do Som de São Paulo .                                                                                                               

ENSAIO FOTOGRÁFICO: CONCEITOS E EDIÇÃO

Com Eder Chiodetto

Dias 4,11 e 18 de outubro – sábados, das 14h às 18h

A partir de 16 anos.

Sesc Belenzinho – Sala da Internet Livre.

R$ 10 / R$ 5 * / Grátis **

Cada participante pode trazer até três ensaios ou projetos de ensaios fotográficos, preferencialmente impressos (podendo ser cópias de trabalhos), para dinamizar o processo de edição. Recomenda-se a leitura do livro eletrônico “Curadoria em Fotografia: da pesquisa à exposição”, de autoria do palestrante, que pode ser baixado gratuitamente no site www.ederchiodetto.com.br 

O encontro entre um curador ou pesquisador e um artista é uma grande oportunidade para que ambos discutam questões internas ao trabalho, como o conceito, as referências, o desenvolvimento, a edição, a finalização e possíveis desdobramentos de um ensaio ou série fotográfica. O curador Eder Chiodetto receberá participantes que tenham trabalhos desenvolvidos no campo do documentarismo ou da experimentação da fotografia no campo das artes plásticas. A partir da leitura e discussão aberta ao grupo dos trabalhos de cada um dos integrantes, o curador irá demonstrar estratégias que auxiliam no desenvolvimento de um trabalho autoral em fotografia, a partir de sua experiência em curadoria e edição de livros. 

Eder Chiodetto – jornalista e curador de fotografia. Foi repórter-fotográfico do jornal Folha de S.Paulo por quatro anos e editor de fotografia por nove anos. Desde 2004, foi curador de mais de sessenta exposições no Brasil e no exterior. É autor dos livros O Lugar do Escritor (Cosac Naify, 2002), Curadoria em Fotografia: da pesquisa à exposição (Ateliê Fotô, 2013) e Geração 00: A Nova Fotografia Brasileira (Edições Sesc, 2013). 

PROCESSOS FOTOGRÁFICOS ALTERNATIVOS: GOMA BICROMATADA

Com Patricia Bigarelli e Thais Bertolin

Dias 7, 9, 14, 16, 21 e 23 de outubro – terças e quintas, das 19h30 às 21h30

A partir de 16 anos.

Sesc Consolação – Sala Curumim – 6º andar.

R$ 10 / R$ 5 * / Grátis **

Necessário trazer 1 bloco de papel Canson Aquarela tamanho A4 12 folhas (ou similar), tintas aquarela e guache de cores diversas. 

Estimulação do processo criativo e a reflexão sobre a produção de imagens através da técnica fotográfica Goma Bicromatada, com aulas teóricas e práticas. Inventado no século XIX, o processo gera imagens com aspecto de gravura e com qualidade artística através de uma solução feita com bicromato de potássio, aquarela e goma arábica, permitindo aos alunos que criem e experimentem novos conceitos visuais dentro da fotografia. 

Patricia Bigarelli  – artista plástica formada pela Accademia Di Belle Arti di Firenze, na Itália. Ministra cursos e oficinas em diversas escolas de arte e instituições. Foi professora de Técnica de Cores em Meios de Comunicação no IED – Istituto Europeo di Design em São Paulo.  Realiza exposições no Brasil e exterior, e em seu trabalho como artista traça relações entre o conceito e o experimentalismo, sobre suportes como fotografia, colagem, gravura, pintura e objetos.

Thais Bertolin –  gestora cultural formada pela Universidad Carlos III de Madrid. Estudou fotogra­fia pela EFTI Escuela de Fotogra­fia e Centro de Imagenes de Madrid. No âmbito da fotografia, direcionou seu trabalho para pesquisas de técnicas alternativas. 

A HISTÓRIA QUE SE QUER CONTAR

Com Mariana Lacerda

Dias 22, 24, 29 e 31 de outubro – quartas e sextas, das 19h30 às 21h30.

A partir de 16 anos.

Sesc Consolação – Sala Ômega – 8º andar (exceto dia 29, que será na Sala Alfa – 8º andar)

R$ 10 / R$ 5 * / Grátis ** 

Construção de narrativa usando imagens e textos como uma forma de pensar o passado, o presente e o futuro. Criar e narrar uma história envolve sempre a vontade de gerar e compartilhar conhecimentos. Partindo dessa ideia, pode-se pensar o quanto a narrativa, seja ela ficcional ou apoiada na realidade, equivale a um gesto que tem a capacidade de agir sobre o mundo. As experiências propostas por este curso exploram fotografias, filmes e textos como reservas de memória que servem aos nossos projetos de futuro. 

Mariana Lacerda é jornalista e mestre em História da Ciência pela PUC-SP. Atualmente, trabalha como roteirista de filmes para cinema e televisão, e edita textos para revistas e catálogos de artes. Nesses trabalhos, pesquisa narrativas testemunhais contidas em depoimentos, fotografias e filmes. Lançou três filmes de curta-metragem e, neste momento, produz seu quarto documentário sobre a caça da baleia no Nordeste.

FOTOGRAFIA DE ARQUITETURA: USOS E PRÁTICAS

Com Eduardo Costa

Dias 21, 25 e 28 de outubro – terças das 19h30 às 21h30, sábado das 14h às 18h.

A partir de 18 anos. 

Sesc Consolação – Sala de Oficinas 3

R$ 10 / R$ 5 * / Grátis **

Apresentação da linguagem e das técnicas da fotografia de arquitetura, questões chaves sobre sua feitura, circulação e usos. Além de destacar autores e imagens históricas, a oficina aborda debates e produções contemporâneas. Ao final, será proposto um exercício prático que visa aproximar os participantes da linguagem da fotografia de arquitetura, explorando aquilo que ela pode revelar da paisagem urbana e da história de uma cidade. 

Eduardo Costa – arquiteto e mestre em história pelo IFCH-Unicamp, onde realiza seu doutorado sobre a formação do arquivo fotográfico do IPHAN. Entre 2011 e 2012, realizou estágio no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, Portugal. Realiza pesquisa e debate fotografia desde 2004. Em 2010, foi um dos vencedores do XI Prêmio Funarte Marc Ferrez de Fotografia.

NOVEMBRO E DEZEMBRO

O USO POÉTICO DA PRÁTICA FOTOGRÁFICA

Com Pio Figueiroa

Dias 7, 14, 21, 28 de novembro, 5 e 12 de dezembro – sextas, das 19h30 às 21h30.

A partir de 16 anos. 

Sesc Consolação – Sala Delta, 7º andar

R$ 10 / R$ 5 * / Grátis ** 

Prática de criação em fotografia que busca nas técnicas um modo contemporâneo de pensar por imagens. A oficina repensa as etapas de concepção de um projeto fotográfico, considerando as novas formas de captação e também o potencial de uso de acervos de imagens digitais. Por meio de exercícios, procura formar um repertório técnico e conceitual para a articulação de histórias visuais. 

Pio Figueiroa – fotógrafo, fundador da Cia de Foto, coletivo que atuou entre 2003 e 2013. Seus ensaios integraram mostras em importantes instituições, como Wexner Center for the Arts (Ohio, EUA), Museu Berardo (Lisboa) e Museu do Quai du Branly (Paris). Desde 2013 dedica-se a projetos individuais, ainda com forte vocação para realizações colaborativas. Além da atuação no ambiente da arte contemporânea, produz fotografias e filmes para o mercado publicitário.  

ESPECIAL PARA EDUCADORES

Voltados exclusivamente a professores, arte-educadores, agentes culturais ou integrantes de projetos sociais que envolvam práticas artísticas, estes cursos pretendem levar os participantes a uma reflexão ampla sobre o modo como a imagem fotográfica se insere na cultura contemporânea, passando por experiências marcantes da história da fotografia, suas estratégias de representação, sua inserção na vida social e seus diálogos com outras artes. O objetivo é estimular o uso da fotografia nas práticas educacionais e apontar caminhos para a formação de um olhar mais crítico do público sobre a imagem. 

OS OLHARES DA FOTOGRAFIA

Com Fernando Schmitt

Dias 1 e 8 de novembro – sábados, das 10h às 13h.

A partir de 18 anos. 

Sesc Belenzinho – Sala da Internet Livre. Grátis 

A fotografia é uma imagem produzida com a mediação de uma máquina, mas nem o olhar e nem o gesto que a viabiliza são mecânicos. Por isso, cabe perguntar como cada autor recorre a essa técnica para representar o mundo.

Sem a pretensão de construir um panorama histórico, é possível conhecer a diversidade de experiências estéticas produzidas com a fotografia por meio de quatro recortes. 

- A imagem como testemunha: fotojornalismo, documentarismo e fotografia científica.

- O olhar sobre a vida cotidiana: fotografia humanista e fotografia de rua.

- A imagem como imagem construída: vanguardas, encenação e simulação.

- Documental imaginário: como a fotografia retoma o desejo de falar da realidade quando assume sua vocação para a fragmentação e para a ficção. 

Fernando Schmitt – fotógrafo, graduado em Jornalismo e mestre em Comunicação Social atua como professor de fotografia desde 1995. Trabalhou na Escola Panamericana de Arte e Design/SP, UNISINOS-RS, PUC-RS, UFRGS e ESPM-RS. Coordena atividades de pesquisa no Grupo de Estudos e Criação em Fotografia do Ateliê Fotô e participa como oficineiro do projeto Pontos MIS do Museu da Imagem e do Som de São Paulo. 

O FOTOGRÁFICO PARA ALÉM DA FOTOGRAFIA

Com Pio Figueiroa

Dias 22 e 29 de novembro – sábados, das 10h30 às 13h30.

A partir de 18 anos.

Sesc Consolação – Sala Ômega, 8º andar.

Grátis

A fotografia se afirma de tal modo em nossa cultura que, mais do que um suporte ou uma técnica, ela se converte num modo de olhar para o mundo. Mesmo quando não estamos com uma câmera, às vezes, as coisas e as cenas parecem se organizar para o olhar como se fossem instantâneos, como se posassem para um retrato, como se fossem um postal, como se estivessem destinadas a compor álbuns, coleções e arquivos. Também o cinema, a literatura, a pintura podem assimilar estratégias que foram afirmadas pela fotografia. Isso significa reconhecer algo de fotográfico no mundo e nas imagens, mesmo quando a fotografia não está presente em sua materialidade. Serão abordados o fotográfico na pintura, na literatura, no cinema e no olhar. 

Pio Figueiroa – fotógrafo, fundador da Cia de Foto, coletivo que atuou entre 2003 e 2013. Seus ensaios integraram mostras em importantes instituições, como Wexner Center for the Arts (Ohio, EUA), Museu Berardo (Lisboa) e Museu do Quai du Branly (Paris). Desde 2013 dedica-se a projetos individuais, ainda com forte vocação para realizações colaborativas. Além da atuação no ambiente da arte contemporânea, produz fotografias e filmes para o mercado publicitário.  

OS DISCURSOS DA FOTOGRAFIA

Dias 22 e 29 de novembro – sábados, das 10h às 13h.

Com Eder Chiodetto.

A partir de 18 anos. 

Sesc Belenzinho – Sala da Internet Livre.

Grátis 

A fotografia não apenas mostra as coisas colocadas diante da câmera, mas produz um discurso sobre elas. Em diálogo com outras linguagens e campos do conhecimento, a fotografia desenvolveu estratégias muito distintas para poder falar das coisas, incluindo aquelas que são invisíveis ao olhar. Alguns tópicos a serem abordados: 

- O testemunho: a fotografia como prova de um acontecimento

- A narrativa: a fotografia como relato de um processo

- A metáfora: a fotografia como materialização de conceitos

- A catalogação: a fotografia como método de análise. 

Eder Chiodetto – jornalista e curador de fotografia. Foi repórter-fotográfico do jornal Folha de S.Paulo por quatro anos e editor de fotografia por nove anos. Desde 2004, foi curador de mais de sessenta exposições no Brasil e no exterior. É autor dos livros O Lugar do Escritor (Cosac Naify, 2002), Curadoria em Fotografia: da pesquisa à exposição (Ateliê Fotô, 2013) e Geração 00: A Nova Fotografia Brasileira (Edições Sesc, 2013). 

UM MUNDO FEITO DE IMAGENS

Com Ronaldo Entler.

Dias 6 e 13 de dezembro – sábados, das 10h30 às 13h30.

A partir de 18 anos.

Sesc Consolação – Sala Delta, 7º andar.

Grátis 

Hoje, todos são fotógrafos, tudo merece ser fotografado e todas as imagens se tornam disponíveis assim que são feitas. Com isso, produzimos mais imagens do que damos conta de olhar e desconfiamos que elas ocupam cada vez mais o lugar da realidade. Resta perguntar quais estratégias permitem recortar e organizar esse universo de imagens, bem como reativar sua capacidade de fazer sentido e de mediar nossa relação com a realidade. Serão abordados: 

- Reprodutibilidade e simulacro: o excesso como forma de apagamento.

- A memória total: o desejo de arquivar tudo e a monumentalização.

- Cultura da vigilância e mapeamento global: visibilidade como forma de controle, a imagem em tempo real, a imagem em extensão real.

- Formas de lidar com o excesso: censura, abstração e coleção. 

Ronaldo Entler – bacharel em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, mestre em Multimeios pela Universidade Estadual de Campinas, doutor em Artes Plásticas pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo e pós-doutor pelo Instituto de Artes da Universidade Estadual de Campinas. É professor e coordenador de Extensão e Pós-Graduação da Fundação Armando Álvares Penteado em São Paulo. É editor do Blog Icônica. 

DIÁLOGOS SOBRE A PESQUISA EM FOTOGRAFIA NO BRASIL 

Este ciclo de palestras propõe uma discussão sobre livros fundamentais para a pesquisa em fotografia no Brasil, passando por autores como Walter Benjamin, Roland Barthes, Philippe Dubois, Susan Sontag, Vilém Flusser e Georges Didi-Huberman. Cada um será abordado em dois encontros: o primeiro focando suas contribuições pontuais para as teorias fotográficas, e o segundo situando tais contribuições num panorama mais amplo de seu pensamento sobre a imagem e sobre a cultura. As palestras são voltadas para artistas, professores, pesquisadores e estudantes das áreas de Artes, Comunicação e Humanidades. 

WALTER BENJAMIM | PEQUENA HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA 

Em A pequena história da fotografia, ensaio escrito em 1931, Walter Benjamin busca o sentido histórico de uma técnica que ainda não havia completado cem anos. Que impacto a fotografia teria sobre a cultura e a arte? Como ela expressaria a sensibilidade do homem moderno? Nesse texto, Benjamin antecipa conceitos célebres, como o de “aura”, desenvolvido posteriormente em A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica, de 1935/6.  

Sesc Belenzinho – Apresentação do Autor, com Mauricio Lissovsky – 16 de outubro, quinta das 19h30 às 21h30.

Sesc Consolação – Desdobramentos do Autor, com Olgária Matos – 20 de outubro, segunda das 19h30 às 21h30.

Olgária Matos  – bacharel em Filosofia pela Universidade de São Paulo, mestre em Filosofia pela Université Paris I e doutora em filosofia pela Universidade de São Paulo. É professora titular do Departamento de Filosofia da Universidade de São Paulo e visitante da Universidade Federal de São Paulo. Publicou, entre outros livros, Os arcanos do inteiramente outro: A Escola de Frankfurt, a melancolia, a revolução (1984), Discretas Esperanças: reflexões filosóficas sobre o mundo contemporâneo (2006) e Contemporaneidades (2009).  

Mauricio Lissovsky – historiador, redator e roteirista. Mestre em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, doutor em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e pós-doutor pelo Birkbeck College, da Universidade de Londres. Atualmente é professor associado da Universidade Federal do Rio de Janeiro e pesquisador do CNPq. Publicou vários livros e ensaios sobre fotografia, entre eles, A Máquina de Esperar (2008) e Pausas do Destino (2014). É colaborador do blog Icônica.  

DIDI-HUBERMAN | IMAGENS APESAR DE TUDO  

Imagens apesar de tudo, de Georges Didi-Huberman, publicado em 2004, analisa quatro fotografias feitas por prisioneiros judeus do campo de concentração de Auschwitz. Uma vez que o trauma do Holocausto parece irrepresentável, o filósofo acaba por refletir o estatuto de imagens que convidam a pensar o inimaginável. O tema será retomado em outro texto, Cascas, de 2011, quando Didi-Huberman visita o campo de concentração, toma suas próprias fotografias e reencontra em exposição as imagens discutidas no livro anterior.  

Sesc Belenzinho – Apresentação do Autor, com Fabiana Bruno – 23 de outubro, quinta das 19h30 às 21h30.

Sesc Consolação – Desdobramentos do Autor, com Etienne Samain – 27 de outubro, segunda das 19h30 às 21h30. 

Fabiana Bruno – bacharel em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas, mestre e doutora em Multimeios pela Universidade Estadual de Campinas. É pós-doutora pela Escola de Comunicação e Artes da USP e pesquisadora pós-doc do Departamento de Antropologia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, onde atua como professora colaboradora no Programa de Pós-Graduação em Multimeios do Instituto de Artes. Sua pesquisa de doutorado, intitulada Fotobiografia – Por uma Metodologia da Estética em Antropologia  recebeu o Prêmio Capes de melhor tese da área de Ciências Sociais Aplicadas I de 2010. 

Etienne Samain – antropólogo e teólogo. Mestre em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, doutor em Ciências Teológicas e Religiosas pela Université Catholique de Louvain e pós-doutor pelo Institut Méditerranéen de Recherche et de Création. É pesquisador do CNPq e professor titular no Instituto de Artes da Universidade Estadual de Campinas. Dentre os seus vários trabalhos destaca-se Moroneta Kamayurá. Mitos e aspectos da realidade social dos índios Kamayurá (Alto Xingu), O Fotográfico (2005) e Como pensam as imagens (2012). 

ROLAND BARTHES | CÂMARA CLARA 

A Câmara Clara, último livro publicado em vida por Roland Barthes, em 1980, inventa um vocabulário bastante peculiar para pensar a relação que seu autor estabelece com algumas poucas fotografias (na verdade, uma única fotografia). Marcadas por afetos que Barthes não esconde, tanto as teorias que esboça quanto sua forma de escrita foram recebidas pelos leitores ora com entusiasmo, ora com desconforto. 

Sesc Belenzinho – Apresentação do Autor, com Ronaldo Entler – 30 de outubro, quinta das 19h30 às 21h30.

Sesc Consolação – Desdobramentos do Autor, com Leda Tenório – 3 de novembro, segunda das 19h30 às 21h30. 

Ronaldo Entler – bacharel em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, mestre em Multimeios pela Universidade Estadual de Campinas, doutor em Artes Plásticas pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo e pós-doutor pelo Instituto de Artes da Universidade Estadual de Campinas. É professor e coordenador de Extensão e Pós-Graduação da Fundação Armando Álvares Penteado em São Paulo. É editor do Blog Icônica. 

Leda Tenório da Motta – bacharel em Letras Modernas pela Universidade de São Paulo (1972), mestre em Semiologia Literária pela École des Hautes Etudes en Sciences Sociales, doutora em Semiologia Literária pela Université de Paris VII e pós-doutora pela Université de Paris VII e pelo Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. É pesquisadora do CNPq e professora do Programa de Comunicação e Semiótica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Tem nove livros publicados, entre eles, Proust – A violência sutil do riso  (2007) e Roland Barthes – Uma biografia intelectual (2011). 

PHILIPPE DUBOIS | O ATO FOTOGRÁFICO 

O ato fotográfico, de Phillipe Dubois, publicado na França em 1983, parte de um repertório semiótico para pensar as relações que o sujeito estabelece com essa imagem, que se constrói como uma “pegada luminosa”. Dez anos depois, a tradução brasileira surge acrescida de “outros ensaios” que ampliam tanto as referências quanto as conclusões trazidas pela edição original. 

Sesc Belenzinho – Apresentação do Autor, com Mariano Klautau Filho – 6 de novembro, quinta das 19h30 às 21h30.

Sesc Consolação – Desdobramentos do Autor, com Philippe Dubois – 10 de novembro, segunda das 19h30 às 21h30. 

Mariano Klautau Filho  – mestre em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e doutorando em Artes Visuais na Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo. É professor da Universidade da Amazônia e curador independente em projetos como Fotografia Contemporânea Paraense – Panorama 80/90, Colóquio Fotografia e Imagem e Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia. Participou de diversas exposições e possui obras nos acervos do Museu de Fotografia da Cidade de Curitiba, Museu do Estado do Pará, Coleção Joaquim Paiva, Museu de Arte Moderna de São Paulo e Coleção Pirelli/MASP.

Philippe Dubois – professor no Departamento de Cinema e Audiovisual da Universidade de Paris 3 – Sorbonne Nouvelle e pesquisador do Instituto Universitário da França. Publicou diversos livros e artigos sobre fotografia, cinema e vídeo, dentre os quais O ato fotográfico (1983), Cinema, vídeo, Godard (2004) e La question vidéo: entre cinéma et art contemporain (2012). É coeditor de coleções como Arts et cinéma, DeBoeck e Cinéthésis. 

SUSAN SONTAG | SOBRE FOTOGRAFIA

Sobre fotografia, de Susan Sontag, foi publicado nos Estados Unidos em 1977 e editado no Brasil sete anos depois. Com uma linguagem direta, os seis ensaios que compõem o livro resultam numa crítica contundente do lugar que a fotografia ocupa na vida social e cultural moderna, momento em que a realidade parece cada vez mais dependente de suas imagens. 

Sesc Belenzinho – Apresentação do Autor, com Lívia Aquino – 13 de novembro, quinta das 19h30 às 21h30.

Sesc Consolação – Desdobramentos do Autor, com Susana Dobal – 17 de novembro, segunda das 19h30 às 21h30. 

Lívia Aquino – bacharel em Psicologia pela Universidade Federal do Paraná, mestre em Multimeios e doutora em Artes Visuais pela Universidade Estadual de Campinas. Coordena e leciona na Pós-graduação em Fotografia da Fundação Armando Álvares Penteado em São Paulo. Participou de exposições no Centro Cultural São Paulo, no Centro Cultural da Caixa e no Instituto Tomie Ohtake em São Paulo, na Fototeca de Cuba, em Havana, e na mostra Descubrimientos no Festival PHotoEspaña, em Madri. Edita o blog Dobras Visuais. 

Susana Dobal – bacharel em Jornalismo pela Universidade de Brasília, mestre em Fotografia pelo International Center of Photography / New York University, doutora em História da Arte pela City University of New York / Graduate Center e pós-doutora pela Université Paris 8. É professora adjunto da Universidade de Brasília. Publicou o livro Peter Greenway and the Baroque: writing puzzles with images (2010) e organizou, junto com Osmar Gonçalves, a coletânea Fotografia contemporânea – Fronteiras e transgressões (2013). Desenvolve o blog Fotoescritas. 

BORIS KOSSOY | REALIDADES E FICÇÕES 

Sesc Consolação – com Boris Kossoy – 24 de novembro, segunda das 19h30 às 21h30. 

Boris Kossoy – bacharel em Arquitetura pela Universidade Mackenzie, mestre e doutor em Ciências pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo. É professor titular da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. É autor de diversos livros, entre eles, Hercule Florence, a Descoberta Isolada da Fotografia no Brasil (1980), Origens e Expansão da Fotografia no Brasil – Século XIX (1980), Dicionário Histórico-Fotográfico Brasileiro (2002), Fotografia e História (2009); Realidades e Ficções na Trama Fotográfica (2009) e Os Tempos da Fotografia: O Efêmero e o Perpétuo(2007). 

VILÉM FLUSSER | FILOSOFIA DA CAIXA PRETA

Filosofia da Caixa Preta, de Vilém Flusser, filósofo tcheco que viveu no Brasil por mais de 30 anos, foi publicado no país em 1985, dois anos após sua primeira edição em alemão. Nesse livro, Flusser pensa a fotografia como produto de uma cultura que aprendeu a codificar pensamentos abstratos em imagens. Além da herança teórica que deixa, suas provocações foram acolhidas por muitos artistas como um convite à superação dos limites impostos pela programação desse aparelho. 

Sesc Belenzinho – Apresentação do Autor, com Diogo Bornhausen – 27 de novembro, quinta das 19h30 às 21h30.

Sesc Consolação – Desdobramentos do Autor, com Norval Baitello Junior – 1 de dezembro, segunda das 19h30 às 21h30. 

Diogo Bornhausen – bacharel em Artes Cênicas pela Faculdade de Artes do Paraná, pós-graduado em Sócio-Psicologia pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo, mestre e doutorando em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. É professor na Faculdade de Comunicação e Marketing da Fundação Armando Alvares Penteado em São Paulo. 

Norval Baitello Junior – doutor em Ciências da Comunicação e em Literatura Comparada pela Universidade Livre de Berlim, pós-doutor no Instituto de Sociologia da Universidade Livre de Berlim e no Centro Internacional de Pesquisas em Ciências da Cultura de Viena.

É pesquisador do CNPq, coordenador da área de Comunicação e Ciências da Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo e professor titular da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. É professor visitante das Universidades de Viena e Sevilha. Seus livros mais recentes são A serpente, a maçã e o holograma (2010), La era de la iconofagia (Sevilha, 2008) e Flussers Völlerei (Köln, 2007).

 

Sesc Belenzinho

Rua Padre Adelino, 1000 – Belém

Tel: (11) 2076-9700

sescsp.org.br

0800 11 8220

Fonte: Rita Solimeo Marin / SESC SP

 

 

Mudança de Programação – Osesp


osesp 60 anos (2)

OSESP COM LAWRENCE RENES (REGENTE) E NATHALIE STUTZMANN (CONTRALTO) | 25 A 27 SET

O regente holandês Lawrence Renes volta à Sala São Paulo e recebe a contralto francesa Nathalie Stutzmann (em substituição à mezzo soprano Christianne Stotijn, que cancelou sua participação essa semana por motivo de doença), em um programa com obras de Copland, Mahler e Beethoven. 

O programa inicia com Quiet City (10 min), de Aaron Copland, com a participação dos músicos da Osesp Flávio Gabriel, no trompete, e Nathan Albuquerque, no corne-inglês, como solistas. 

Em seguida, Nathalie Stutzmann se junta à Orquestra para interpretar o ciclo de canções Kindertotenlieder, de Gustav Mahler, baseadas em cinco poemas românticos de Friedrich Rückert. 

Ao final, a Osesp executa Sinfonia nº 4 em Si Bemol Maior, Op.60, de Beethoven (34 min), uma das menos tocadas do compositor alemão. 

Na quinta, 25/09, o público poderá assistir ao Ensaio Aberto da Orquestra, a partir das 10h (R$ 10,00). 

Informações sobre os concertos:

http://www.osesp.art.br/concertoseingressos/concerto.aspx?IDApresentacao=5265 

Saiba mais sobre Nathalie Stutzmann:

http://www.nathaliestutzmann.com/en/ 

Saiba mais sobre Lawrence Renes:

http://www.harrisonparrott.com/artist/profile/lawrence-renes 

Os concertos da Osesp são uma realização do Governo do Estado de São Paulo, por intermédio da Secretaria de Estado da Cultura, e contam com o patrocínio do Itaú Personnalité, Banco do Brasil Estilo, Deloitte e Credit Suisse. 

OSESP 60 ANOS

Saiba mais:

http://www.osesp.art.br/paginadinamica.aspx?pagina=linhadotempo

 

SALA SÃO PAULO – SERVIÇO

Praça Júlio Prestes, 16

Bilheteria: (11) 3223-3966 (Sala São Paulo: 1340 lugares | Sala do Coro: 150 lugares)

Recomendação etária: 7 anos

Ingresso Rápido: (11) 4003-1212; www.ingressorapido.com.br 

Cartões de crédito: Visa, Mastercard, American Express e Diners.

Estacionamento: R$ 20,00 (611 vagas, sendo 20 para portadores de necessidades especiais e 33 para idosos). Aposentados, pessoas acima de 60 anos, estudantes e professores da rede pública têm 50% de desconto, mediante comprovação em todas as atividades.

 Fonte: Alexandre Félix / Comunicação / Imprensa

Café Controverso debate uso da Língua Brasileira de Sinais


libras

Café Controverso debate uso da Língua Brasileira de Sinais

Evento acontece dentro da programação do Dia da Acessibilidade no Espaço do Conhecimento UFMG

A Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS foi reconhecida como língua oficial da pessoa surda no Brasil em 2012. A conquista trouxe impactos significativos para a vida de muitos surdos e exigiu mudanças sociais e políticas no país. Apesar disso, a utilização da língua ainda enfrenta entraves e muitos preconceitos.
Para falar sobre o assunto o Café Controverso do próximo sábado recebe a linguista, professora e coordenadora da área de LIBRAS da Faculdade de Letras da UFMG Elidéia Almeida Bernardino. Com o tema “Surdez: questão médica e social”, o evento tem entrada gratuita, acontece na cafeteria do museu às 11h e faz parte das atividades do Dia da Acessibilidade no Espaço do Conhecimento UFMG.
Elidéia Almeida falará sobre a importância do uso de LIBRAS no desenvolvimento cognitivo de crianças surdas e sobre as dificuldades políticas, econômicas e sociais que a disseminação da língua enfrenta. Para a professora, o aprendizado de LIBRAS como primeira língua é um fator essencial para o desenvolvimento de crianças surdas em seus processos de socialização. “A criança surda acaba se tornando mais visual e, nesse sentido, a Língua Brasileira de Sinais é aprendida de forma mais rápida e natural. Com a base cognitiva estabelecida, se torna mais fácil o aprendizado do português como segunda língua e até o possível trabalho com fonoaudiólogos para oralização e aprendizado de leitura labial. A possibilidade do implante coclear, que busca dar ao usuário uma sensação auditiva, pode auxiliar esses processos, mas não substitui o uso de LIBRAS”, diz.
Elidéia destaca também a necessidade do estabelecimento de políticas públicas que permitam a multiplicação de escolas bilíngues. “Muitos pais se recusam a aprender ou ensinar LIBRAS a seus filhos por medo de que eles não se adaptem mais à língua oral. Isso é causado por puro desconhecimento. Se tivéssemos um trabalho mais eficiente de investimento para a formação de escolas bilíngues para surdos, os pais estariam mais confiantes com relação à língua e suas vantagens”, completa.
Dia da Acessibilidade no Espaço do Conhecimento UFMG
Em 21 de setembro é comemorado o Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência e, durante todo o mês, inúmeras atividades e ações afirmativas eclodem no país em reconhecimento à data. Consonante com a necessidade de ampliar o acesso aos bens culturais para todos os públicos, em 2012 o Espaço do Conhecimento UFMG iniciou um projeto com o objetivo de tornar-se mais acessível às pessoas com deficiência. Para  dar visibilidade às ações que fazem parte desse projeto e que já estão disponíveis ao público, o próximo sábado, 20 de setembro, será marcado por uma série de atividades gratuitas relacionadas ao tema acessibilidade. Além do Café Controverso “Surdez: questão médica e social”, a programação do evento contará com visita acessível em Libras à exposição Demasiado Humano, sessões especiais de planetário, roda de conversa, oficina e minipalestras destinadas a pessoas que trabalham em museus. Saiba mais sobre a programação completa do evento em nosso site.

Café Controverso
O conhecimento raramente passa pelo consenso e sua construção se faz, sempre, pelo diálogo. Nos Cafés Controversos, os temas são amplos e diversificados, e não se detêm aos tratados no interior do Espaço do Conhecimento: abordam diferentes setores da cultura, das artes e da ciência. Um espaço de debate e troca de ideias e perspectivas.
O Espaço do Conhecimento UFMG estimula a construção de um olhar crítico acerca da produção de saberes através da utilização de recursos museais. Sua programação diversificada inclui exposições, cursos, oficinas e debates. Integrante do Circuito Cultural Praça da Liberdade, o Espaço do Conhecimento é fruto da parceria entre a operadora TIM e a UFMG e conta com o apoio da Rede de Museus e Espaços de Ciências e Cultura da UFMG e da DAC – Diretoria de Ação Cultural da UFMG.

Serviço:
Café Controverso – Surdez: questão médica e social
Data: 20 de setembro, 11h
Local: Espaço do Conhecimento UFMG – Praça da Liberdade, 700
Entrada franca
Mais informações: www.espacodoconhecimento.org.br

Fonte: Tamira Marinho <imprensa@espacodoconhecimento.org.br>

21 de Setembro – Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência


Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência

Dia da Acessibilidade no Espaço do Conhecimento UFMG

No próximo sábado o museu oferece programação especial em comemoração ao mês marcado pela luta das pessoas com deficiência
Em 21 de setembro é comemorado o Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência e, durante todo o mês, inúmeras atividades e ações afirmativas eclodem no país em reconhecimento à data. Consonante com a necessidade de ampliar o acesso aos bens culturais para todos os públicos, em 2012 o Espaço do Conhecimento UFMG iniciou um projeto com o objetivo de tornar-se mais acessível às pessoas com deficiência. Para dar visibilidade às ações que fazem parte desse projeto e que já estão disponíveis ao público, o próximo sábado, 20 de setembro, será marcado por uma série de atividades gratuitas relacionadas ao tema acessibilidade. A programação especial contará com um Café Controverso, visita acessível em Libras à exposição Demasiado Humano, sessões especiais de planetário, roda de conversa, oficina e minipalestras destinadas a pessoas que trabalham em museus.

Para Brunah Schall, assessora de ações educativas do Espaço do Conhecimento, um dos desafios do projeto é fazer com que as ações elaboradas pelo Núcleo de Acessibilidades cheguem efetivamente a quem se destinam: “Encontrar museus e atividades acessíveis ainda é muito raro em Belo Horizonte. É comum que pessoas com deficiência não frequentem esses lugares de forma espontânea, pressupondo que a instituição não poderá atendê-las. Ações como esta são importantes para estreitarmos os laços com esses públicos e aumentar nossas formas de diálogo, até para que possamos aprimorar o trabalho”, completa.

Confira a programação do Dia da Acessibilidade no Espaço do Conhecimento UFMG:

Sábado, 20 de setembro.
- Café Controverso – Surdez: questão médica ou social? *
Horário: 11h
Convidados: Elidéia Lúcia Almeida Bernardino (Faculdade de Letras /UFMG)
* Com intérprete de LIBRAS 
- Oficina “Acessibilidade em museus: comunicação, sentidos e ações”
Horário: 14h
Duração: 3 horas
Número de vagas: 22
Faixa etária: a partir de 16 anos
Público preferencial: pessoas que trabalham em museus e equipamentos culturais.
Inscrições: os interessados devem enviar e-mail para o endereço acessibilidadeespacoufmg@gmail.com, com o assunto “Inscrição em Oficina”. Para se inscrever é necessário informar nome completo, RG e ocupação. Um e-mail de confirmação da inscrição será enviado.
Atividades da oficina
Mini palestras sobre comunicação acessível
14h – 15h
Temas: Libras (Thaís Victorino), Estenotipia (Gabriel Lobato), Braille (Vanessa Gonçalves), Audiodescrição (Anita Rezende)
“De olhos vendados”
15h – Visita pelo 3° andar do museu com os olhos vendados
15h30 – Sessão no planetário – “Colecionando Sons”, seguida de conversa sobre a experiência
16h15 – Roda de discussão com o tema “Acessibilidade em museus”
Moderador: Paulo Sabino (Museologia UFMG)

- Visita à exposição Demasiado Humano
Horário: 14h
Público alvo: pessoas com surdez ou problemas de audição
O público terá a opção de visitar a exposição “Demasiado Humano”, sendo guiado por vídeo em Libras, com legendas em português, disponibilizado em tablet. Os tablets devem ser solicitados na recepção, mediante apresentação de documento de identidade. Além do tablet, um intérprete de Libras estará presente na ocasião para auxiliar na visita.

- Leitura de história em quadrinhos e sessão de filme no planetário: “ABC das estrelas”
Horário: 15h30
Classificação: Livre
Leitura, com o auxílio de um intérprete de Libras, de revista em quadrinhos sobre o filme “ABC das estrelas”. A inscrição para esta atividade deve ser feita na recepção do museu, no dia do evento. Após a leitura haverá a exibição do filme.
“ABC das estrelas”
Horário: 16h
Classificação: Livre
Sinopse do filme: Três amigos viajam em uma nave espacial pelo sistema solar. Nessa emocionante aventura, eles observam as diferenças entre os planetas, atravessam os anéis de Saturno, passam perto do Sol e correm perigo: a nave pode ser incendiada pelo astro.

O Espaço do Conhecimento UFMG estimula a construção de um olhar crítico acerca da produção de saberes através da utilização de recursos museais. Sua programação diversificada inclui exposições, cursos, oficinas e debates. Integrante do Circuito Cultural Praça da Liberdade, o Espaço do Conhecimento é fruto da parceria entre a operadora TIM e a UFMG e conta com o apoio da Rede de Museus e Espaços de Ciências e Cultura da UFMG e da DAC – Diretoria de Ação Cultural da UFMG.

Dia da Acessibilidade no Espaço do Conhecimento UFMG

Data: 20 de setembro

Local: Espaço do Conhecimento UFMG – Praça da Liberdade, 700

Entrada franca

Mais informações: www.espacodoconhecimento.org.br

Fonte: Tamira Marinho <imprensa@espacodoconhecimento.org.br>

‘Iniciativa Incluir’ será lançada nesta terça-feira (23) em São Paulo


desenvolvimento-sustentavel-sustentabilidade

A ‘Iniciativa Incluir’, promovida pelo PNUD e parceiros, é uma plataforma de promoção de diálogos e troca de conhecimento que incentiva processos de inclusão social por meio de práticas sustentáveis de negócio e promoção de parcerias.

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e um grupo seleto de parceiros – como Sebrae e os Sistemas CNI (CNI, SESI, SENAI e IEL) e CNA (SENAR, CNA, ICNA), além da Fundação Dom Cabral e da Rede Brasileira do Pacto Global – lançam nesta terça-feira (23) a Iniciativa Incluir.

O evento acontecerá no auditório da ESPM, em São Paulo, das 18h30 às 20h30. A criação da Iniciativa surge da necessidade de promover, ampliar e replicar modelos de negócios inovadores que incluam as pessoas mais vulneráveis em todo o ciclo de produção das empresas, de fornecedores a funcionários e clientes.

Além de Maristela Baioni, representante residente assistente do PNUD, participam do evento de lançamento Gokhan Dikmener, especialista técnico sobre negócios inclusivos e sociais do Centro Internacional do PNUD em Istambul para o Setor Privado em Desenvolvimento (UNDP/IICPSD, na sigla em inglês), e Claudio Boechat, professor e especialista em negócios inclusivos da Fundação Dom Cabral.

A Iniciativa Incluir se insere como uma ferramenta importante no cenário atual de desenvolvimento de negócios inclusivos e sociais no Brasil. O sucesso crescente de empresas que realizam esse modelo de negócio inspira outros empreendedores dos mais diversos setores a implementar ferramentas de inclusão em seus negócios e mercados. Essa corrente, além de promover o desenvolvimento das empresas, potencializa a redução da pobreza nos locais onde essas práticas estão inseridas.

Contudo, muito ainda pode e deve ser feito para melhorar as práticas em negócios e mercados inclusivos nas cadeias de valor das empresas e incorporar as lições aprendidas com o trabalho em comunidades de baixa renda.

A Iniciativa Incluir busca identificar e inspirar negócios inclusivos que contribuam para o desenvolvimento sustentável em seus três pilares: social, econômico e ambiental. Além disso, também visa a fornecer recomendações sobre o papel que o governo e outros atores podem ter no apoio a iniciativas que combinem soluções de negócios verdes e inclusivos no Brasil.

Saiba os detalhes em http://bit.ly/1uOLOIP e em www.iniciativaincluir.org.br

Fonte: http://www.onu.org.br/iniciativa-incluir-sera-lancada-nesta-terca-feira-23-em-sao-paulo/